quarta-feira, 19 de setembro de 2018

04:26:00

A biomecânica e o Pilates


A biomecânica nada mais é do que o estudo e a aplicação das leis da mecânica ao movimento humano. A partir desse estudo conseguimos observar os movimentos que são normais do corpo, e aqueles que possivelmente podem gerar algum tipo de lesão.

A biomecânica é uma área dedicada ao estudo do movimento que envolve diversas variáveis. Para realmente entender a biomecânica do agachamento devemos entender alguns fatores, que incluem:

  • Articulações envolvidas;
  • Movimentos articulares;
  • Planos e eixos do movimento;
  • Tipo de contração;
  • Músculos que atuam no movimento.

Basicamente, um movimento só acontece através da interação de forças de dois corpos. Essas forças fazem com que ocorra uma mudança no estado dos corpos envolvidos, gerando o movimento. Através da biomecânica e de suas áreas de conhecimento correlatas podemos analisar as causas e efeitos do movimento. A análise biomecânica ajuda o profissional a compreender como as forças atuam em um corpo durante certo movimento.

Esta área da ciência tem sido desenvolvida nos cursos de Educação Física e Fisioterapia, pois ambas as profissões lidam com o movimento, através de prescrição de exercício, reabilitação ou avaliação do movimento. E, é claro, potencializa os atendimentos de Pilates.

O Método Pilates foi criado para condicionar o corpo todo, ele estimula a integração da mente e do corpo, e ajuda a alcançar a precisão no controle dos músculos, a coordenação e a fluidez dos movimentos.

Ter em mente que estudar a biomecânica do movimento, saber como potencializar o uso do músculo certo para o "problema"é muito importante para o sucesso do tratamento, principalmente o de Pilates. Em desequilíbrios musculares que causam problemas na coluna, sempre presente em pacientes nas clinicas quanto em alunos na academia,um conceito muito importante é ter estabilidade corporal, central, do core e isso não significa ter rigidez excessiva nessa região. É preciso saber distinguir qual a necessidade de seu aluno para eliminar as dores através do conceito a Estabilidade x Mobilidade.

A instabilidade na região do core seria a principal causa de lesões, e por consequência, dor em nossos alunos. Ou seja, quanto mais estável o corpo estiver, menor será a possibilidade de lesões. .

Para entender mais sobre esse conceito de estabilidade do power house, você precisa conhecer mais sobre Biomecânica no Pilates. Aposte nesse conhecimento.

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

10:21:00

Benefícios da Ginástica Laboral


Os benefícios da ginástica laboral são inúmeros, tanto para os empregados quanto para os empregadores.

No âmbito fisiológico, ela promove mais disposição e bem estar, previne doenças funcionais como as LER (Lesões por Esforços Repetitivos) e os DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho), melhora a postura corporal, a flexibilidade, a resistência e a coordenação e diminui inflamações, traumas, tensões musculares e os esforços nas execuções de tarefas cotidianas.

O fator psicológico dos funcionários também agradece, já que ela promove a mudança da rotina no serviço, desenvolve a consciência corporal, combate as tensões emocionais, melhora a concentração no trabalho e aumenta a auto-estima de cada um. Além do mais, mostra a preocupação da empresa com os seus empregados, o que a torna mais humana.

Socialmente, os funcionários têm mais contato pessoal e social e trabalham melhor em equipe, pois a ginástica laboral faz com que eles percam a timidez.

Por outro lado, as empresas ganham bastante com a aplicação dos exercícios laborais porque seus empregados ficam mais satisfeitos pela preocupação por elas dispendida, produzindo mais e melhor e têm menos afastamentos médicos, o que traz prejuízos a qualquer empregador.

A ginástica laboral pode ser realizada antes, durante e depois do início do trabalho, sendo que cada uma tem um objetivo específico.

A preparatória aquece os músculos que serão utilizados durante todo o dia de serviço, despertando os empregados para que sintam mais disposição. A compensatória pode ser feita no meio do dia para interromper a monotonia da rotina diária com exercícios que compensam as tarefas repetitivas e as posturas inadequadas. Por fim, é preciso fazer a ginástica de relaxamento para que os músculos descansem, ficando menos tensos e estressados.

Após essa rotina de trabalho, você certamente se sentirá muito melhor quando chegar em casa. Além do mais, ficará mais disposta e feliz, pois qualquer atividade física gera serotonina, hormônio responsável pela sensação de leveza e bem-estar.

É importante para quem for trabalhar com Ginástica Laboral ter bons conteúdos para estudo. Eu indico o Curso Online de Ginástica Laboral, o Curso online de Ergonomia e o Curso Online de Fisioterapia no Trabalho. Com eles, é certeza de boa preparação para o mercado de trabalho.

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

10:03:00

Educação Física e o processo de inclusão escolar

 

A Educação Física pode significar melhorias para a sua qualidade de vida, por proporcionar prazer e ser entendida como uma prática que não desconsidera sua deficiência e seus limites, mas sim, evidencia a sua eficiência e possibilidades.

Com o desenvolvimento de uma Educação Física inclusiva às pessoas com deficiência, poder-se-ia demonstrar à sociedade que todo cidadão, com ou sem deficiência, é capaz de viver com seus limites, praticando alguma atividade física, sem que as pessoas os olhem com compaixão e evitem qualquer forma de exclusão. Dessa maneira, pode-se considerar que esse seria um procedimento acertado e capaz de ampliar suas possibilidades nos campos físico, social, político e cultural.

Valores como determinação, cooperação, autossuperação, autoconfiança, autoestima, socialização, bem como habilidades motoras e cognitivas, podem ser referenciados pela prática da atividade física. Ao trabalhar com a pessoa com deficiência, é indispensável que ocorra uma intervenção visando o oferecimento de uma Educação Física que os conscientize de suas dificuldades ocasionadas pelas deficiências, mas que os faça desvelar as possibilidades e motivá-los na busca de melhorias para a adoção de procedimento que lhes proporcione uma melhor qualidade de vida, facilitando suas atividades cotidianas.

A Abordagem sobre a inclusão de crianças com necessidades especiais na Educação Física no âmbito escolar envolve aspectos de uma cultura educacional e social, e traz diversos problemas de inclusão na Educação Física Escolar.

Segundo Góes (2005) os estudos apresentam pequena inserção de crianças com necessidades especiais na classe regular. A pergunta que pode ser realizadas na sequencia é: se na classe regular há pouca inclusão, como está a realidade quando se trata da Educação Física na escola ? Outro destaque inicial se volta para a escassez de estudos da área da Educação Física e inclusão escolar, bem como a necessidade atual de estudos nessa área ao considerar os aspectos legais e educacionais.

Por outro lado a importância da Educação Física para a construção da educação inclusiva passa por um processo de adaptação, as atividades desenvolvidas que apresentam um grau de determinação menor do que outras disciplinas, desenvolvendo a interação do aluno para as práticas propostas pelo professor (RODRIGUES, 2003).

O professor de Educação Física deve ir além do seu próprio conhecimento, ensinar ao desconhecido estimulando sempre, a criatividade dos alunos, e perante a si mesmo, desafiando–se a resolução de problemas, com a cooperação no desenvolvimento de tarefas, criando uma ampla descoberta de movimentos (idem, 2003).

É necessário que o professor coloque seus alunos como prioridade, e assim utilizando técnicas de aprendizado para adequar a demanda. Que seus alunos vivenciam e aprendam durante suas aulas. Segundo Rodrigues (2003, p. 77): "Assim, aparentemente a EF seria uma área curricular facilmente inclusiva devido á flexibilidade inerente aos seus conteúdos o que conduziria a uma maior facilidade de diferenciação curricular".

Ou seja, o professor de Educação Física é visto perante aos seus alunos com um símbolo de ações positivas, do que o restante dos outros professores. Devido às atividades propostas com êxito e planejamento atendendo a necessidade da turma, e que levam os alunos a terem uma vivência prazerosa por parte da Educação Física, com atitudes favoráveis à inclusão que ajudam a resolução de problemas e encontram soluções mais facilmente para casos difíceis.

Com esta imagem positiva do professor de Educação Física defende-se que ele tem um papel fundamental para sanar a exclusão, e introduzir a inclusão de alunos portadores de necessidades especiais no âmbito escolar, por isso, mais frequentemente o professor é solicitado para participar de projetos de inovação na escola, atendendo assim às necessidades.

Se você quiser se aprofundar neste assunto precisa conhecer as Aulas de Educação Física para Alunos Especiais e o ebook Atividades Físicas de Alunos Especiais. São duas excelentes opções para quem trabalha com Educação Física Escolar  para alunos com necessidades especiais.

Bibliografia:

GÓES,M. C. R. Desafio da inclusão de alunos especiais: a escolarização do aprendiz e sua constituição como pessoa. In GÓES, M. C. R. e LAPLANE, A. L. F. Políticas e práticas de educação inclusiva. Campinas, SP: Autores Associados, 2005. p. 69-92.

RODRIGUES, David. A Educação Física Perante a Educação Inclusiva: reflexões conceptuais e metodológicas. Rev. da Educação Física/ UEM Maringá, v. 14, nº 1, p. 67 – 73. 2003.
09:26:00

Saiba mais sobre a Ventilação Mecânica




A ventilação mecânica consiste em uma modalidade terapêutica que substitui parcialmente ou completamente a ventilação espontânea. Essa fisioterapia atua de maneira eficaz no tratamento da insuficiência respiratória aguda (IRpA) ou crônica agudizada.

A inspiração normal gera pressão intrapleural negativa, que cria um gradiente de pressão entre a atmosfera e os alvéolos, resultando no fluxo inspiratório. Na ventilação mecânica, o gradiente de pressão resulta da pressão aumentada (positiva) da fonte de ar.

Fases do ciclo respiratório

Fase inspiratória – fase em que o ventilador realiza a insuflação dos pulmões vencendo as propriedades elásticas e resistivas do sistema respiratório. Nesta fase a válvula inspiratória encontra-se aberta.

Ciclagem – mudança de fase – é a transição da fase inspiratória para a expiratória.  O ventilador irá interromper a fase inspiratória (após a pausa inspiratória, quando esta estiver sendo utilizada). Ocorre, então, fechamento da válvula inspiratória e abertura da expiratória.

Fase expiratória – corresponde ao fechamento da válvula inspiratória e a abertura da válvula expiratória, permitindo o esvaziamento dos pulmões, com a expiração progressiva do volume corrente previamente recebido.

Disparo – é a transição da fase expiratória para a inspiratória. Esta fase compreende o final da expiração com fechamento da válvula expiratória e abertura da válvula inspiratória (disparo). Essa transição pode ser feita pelo ventilador ou pelo paciente.

Tipos de ciclos ventilatórios

Ciclos controlados – todas as fases (disparo, controle do fluxo e ciclagem) são determinadas pelo ventilador. O ciclo é iniciado, controlado e finalizado pelo aparelho.

Ciclos assistidos – o paciente apenas dispara o ventilador, mas o controle do fluxo e a ciclagem são dados pelo aparelho, ou seja, o ciclo é iniciado pelo paciente, mas é controlado e finalizado pelo aparelho.

Ciclos espontâneos –  o paciente é responsável pelo disparo do ventilador e influencia diretamente no fluxo recebido e na ciclagem. O ciclo é iniciado, controlado e finalizado pelo paciente.

Modalidades da ventilação – (Knobel, Laselva e Junior)

Ventilação controlada (CMV) – todos os movimentos respiratórios são gerados pelo aparelho. O paciente não é capaz de iniciar respirações adicionais. A frequência respiratória é programada no próprio respirador e a sensibilidade do aparelho não interfere nem sua ciclagem.

Ventilação assistida (AMV) – o aparelho é deflagrado pelo esforço inspiratório do paciente, que ao reduzir a pressão intratorácica, faz cair a pressão das vias aéreas determinando a frequência respiratória. O controle do nível de esforço é fornecido através da sensibilidade ajustada de acordo com a dificuldade respiratória do paciente. Nesta modalidade é necessário que o paciente tenha drive respiratório, pois o ventilador não cicla sozinho.

Ventilação assistida-controlada (A/C) – mecanismo misto de disparo – o ciclo do aparelho dependerá do esforço respiratório do paciente, porém com uma frequência respiratória pré-determinada no aparelho, caso o paciente apresente apneia ou queda importante da frequência respiratória.

Ventilação mandatória intermitente sincronizada (SIMV) – esta modalidade permite ao paciente em respiração controlada, respirar espontaneamente entre as ventilações geradas pelo aparelho. Para isto, há a manutenção de um fluxo de ar no circuito entre uma injeção de ar e outra, permitindo que o paciente respire sozinho nesses intervalos, combinando assim ventilação controlada e ventilação espontânea.

Ventilação de pressão de suporte (PSV) – é uma modalidade de ventilação assistida, que consiste na oferta de níveis de pressão positiva constantes na via aérea durante a fase inspiratória. O fornecimento de ar é interrompido quando o fluxo inspiratório do paciente cai a um determinado valor e a válvula expiratória se abre. Quanto maior a pressão de suporte, maior é o trabalho ventilatório que cabe ao aparelho e menor ao paciente.

Ventilação com pressão controlada (PCV) – nesta modalidade o aparelho é ciclado a tempo, permitindo a limitação do pico de pressão expiratória. O valor de pressão preestabecido é rapidamente alcançado no início da inspiração e se mantém durante toda a fase inspiratória do ciclo.

Pressão continuas nas vias aéreas (CPAP) – é uma modalidade de ventilação espontânea, na qual a expiração ocorre contra um obstáculo, acumulando ar nos pulmões mesmo ao final da expiração e novas ventilações começam a partir desse novo volume.

Indicações:

  • Reanimação cardiorrespiratória
  • Hipoventilação e apnéia, como nos casos de lesões no centro respiratório, intoxicação ou abuso de drogas
  • Insuficiência respiratória devido a doença pulmonar
  • Falência mecânica do aparelho respiratório: doenças neuromusculares, paralisia (fraqueza muscular); estímulo respiratório instável (trauma craniano, acidente vascular cerebral, intoxicação exógena e abuso de drogas)
  • Prevenção de complicações respiratórias: pós-operatório de cirurgias de grande porte – abdominais, torácicas, obesidade mórbida
  • Diminuição do trabalho muscular respiratório evitando fadiga muscular

O funcionamento

A ventilação mecânica (VM) se faz através da utilização de aparelhos que, intermitentemente, insuflam as vias respiratórias com volumes de ar (volume corrente - VT). O movimento do gás para dentro dos pulmões ocorre devido à geração de um gradiente de pressão entre as vias aéreas superiores e o alvéolo, podendo ser conseguido por um equipamento que diminua a pressão alveolar (ventilação por pressão negativa) ou que aumente a pressão da via aérea proximal (ventilação por pressão positiva).

Devido à sua maior aplicação na prática clínica, vão ser comentados somente os aspectos relacionados à ventilação com pressão positiva, tanto na forma invasiva como na não invasiva. Neste ar, controla-se a concentração de O2 (FIO2) necessária para obter-se uma taxa arterial de oxigênio (pressão parcial de oxigênio no sangue arterial- PaO2) adequada. Controla-se ainda, a velocidade com que o ar será administrado (fluxo inspiratório - ) e também se define a forma da onda de fluxo, por exemplo, na ventilação com volume controlado: "descendente", "quadrada" (mantém um fluxo constante durante toda a inspiração), "ascendente" ou "sinusoidal".

O número de ciclos respiratórios que os pacientes realizam em um minuto (freqüência respiratória - f) será conseqüência do tempo inspiratório (TI), que depende do fluxo, e do tempo expiratório (TE). O TE pode ser definido tanto pelo paciente (ventilação assistida), de acordo com suas necessidades metabólicas, como através de programação prévia do aparelho (ventilação controlada). O produto da f pelo VT é o volume minuto (E). Dessa forma, fica claro o que acontece quando fazemos ajustes no aparelho. Por exemplo, se optarmos por ventilar um paciente em volume assistido/controlado, o que temos que definir para o ventilador é o VT e o e, de acordo com a resistência e a complacência do sistema respiratório do paciente, uma determinada pressão será atingida na via aérea. Se, por outro lado, trabalharmos com um ventilador que cicla em pressão, temos que calibrar o pico de pressão inspiratória (PPI) e o , sendo o VT uma conseqüência dessa forma de ventilação. Esse tipo de ventilação (ciclada à pressão) que, praticamente, não é mais aplicada está presente em ventiladores do tipo Bird Mar.

Modos Ventilatórios e Formas de Escolha

Atualmente é importante compreender que existem basicamente duas formas de se ventilar um paciente, que devem ser escolhidas levando em consideração a capacidade de contração dos músculos respiratórios e a presença ou ausência de estímulo neurológico que proporciona esta contração. Em situações nas quais o "drive ventilatório" está comprometido, o modo de escolha é o ASSISTO-CONTROLADO.

Neste modo, o ventilador mecânico é capaz de substituir completamente a respiração espontânea, garantindo as incursões respiratórias por minuto (FR), sem deixar de permitir que o paciente participe da ventilação caso o "drive ventilatório" seja restabelecido.

De maneira oposta, ou seja, quando o "drive ventilatório" está presente e o paciente não está sob uso de sedativos (ou em uso de baixas doses), o modo de escolha é o ESPONTÂNEO, cuja função é fornecer pressões positivas que auxiliam o paciente na oxigenação e na ventilação. Neste caso, a FR é determinada pelo próprio paciente.

O desmame

A identificação do momento adequado para a interrupção da assistência ventilatória mecânica pode ser bastante simples, como nos pacientes que despertam de um procedimento anestésico, ou bastante difícil, como nos pacientes submetidos à ventilação mecânica há várias semanas. Nesse último caso precisaremos lançar mão de vários critérios para nos certificarmos de que o momento é oportuno para essa iniciativa. Quando falhamos na tentativa podemos contribuir para um aumento na mortalidade. A reintubação é considerada precoce quando ocorre nas primeiras 48 horas, caracterizando falha de extubação. Considera-se ventilação mecânica prolongada a dependência de ventilação por pelo menos seis horas por dia, por três ou mais semanas.

Se você quiser (ou precisar) saber mais sobre Ventilação Mecânica, não pode perder a Maratona Online de Atualização em Ventilação Mecânica. Outro conteúdo ótimo é o  o curso Ventilação Mecânica em Pacientes Asmáticos.

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

06:53:00

Funções de quem trabalha na sala de vacinação



As atividades da sala de vacinação são desenvolvidas pela equipe de enfermagem treinada e capacitada para desenvolver os seguintes procedimentos: manuseio, conservação, preparo e administração, registro e descarte dos resíduos resultantes das ações de vacinação.

São funções da equipe que trabalha na sala de vacinação:

- Manter a ordem e a limpeza da sala de vacinas;

- Prover, periodicamente, as necessidades de material e de imunobiológicos, conforme orientado anteriormente;

- Manter as condições ideais de conservação dos imunobiológicos;

- Encaminhar e dar destino adequado aos imunobiológicos inutilizados e ao lixo da sala de vacinação;

- Orientar e prestar assistência aos pacientes com segurança, responsabilidade e respeito;

- Registrar a assistência prestada nos impressos adequados;

- Avaliar, sistematicamente, as atividades desenvolvidas.

Antes de dar início às atividades diárias, a equipe executa os seguintes procedimentos:
- Verifica a limpeza e a organização da sala;

- Verifica e anota a temperatura do refrigerador ou refrigeradores no mapa de controle diário de temperatura;

- Verifica o prazo de validade das vacinas, usando com prioridade àquelas que estiverem com prazo mais próximo do vencimento;

- Retira do refrigerador de estoque a quantidade de vacinas e diluentes necessária ao consumo daquela jornada de trabalho;

- Coloca as vacinas e os diluentes da jornada de trabalho na caixa térmica ou no refrigerador para imunobiológicos que serão utilizados durante o dia de trabalho

O processo de trabalho deve ser realizado por uma equipe de vacinação treinada, composta no mínimo de enfermeiro e auxiliar ou técnico de vacinação, mas pode ser maior dependendo do tamanho do posto de saúde e da área atendida, por isso profissionais deste setor são constantemente requisitados. No curso Procedimentos Técnicos Em Sala de Vacina você conhece os tipos de vacina, seus métodos de conservação e de aplicação.
06:22:00

Metabolismo e Nutrição



No metabolismo, chamamos de anabolismo a etapa construtiva na qual os nutrientes são assimilados e utilizados nas sínteses de novas substâncias indispensáveis ao crescimento, à manutenção e à regeneração do organismo. O catabolismo, ao contrário, é a etapa destrutiva, que implica quebra ou desdobramento de moléculas, com liberação de energia e eliminação de substâncias de excreção. A energia liberada no catabolismo é utilizada nos processos de anabolismo. Ao conjunto das reações que implicam trocas energéticas no organismo dá-se o nome de metabolismo energético.

Para manter um metabolismo equilibrado, o organismo deve obter continuamente os chamados nutrientes, substâncias fornecidas pelos alimentos, os quais precisam ser consumidos em quantidade e variedade adequadas.

Uma vez digeridos os alimentos, os seus nutrientes são absorvidos e distribuídos para todos os tecidos. Alguns nutrientes são usados para a construção e a reparação da matéria viva; outros são desdobrados para a liberação da energia às atividades vitais.

O hábitos alimentares adequados como o consumo de alimentos pobres em gorduras saturadas e ricos em fibras presentes em frutas, legumes, verduras e cereais integrais, juntamente com um estilo de vida saudável (exercícios físicos regulares, ausência de fumo e moderação no álcool) passam a ser peça chave na diminuição do risco de doenças e na promoção de qualidade de vida, desde a infância até o envelhecimento.

O nutricionista estuda as necessidades nutricionais dos seres humanos, sua relação com o estado de saúde, os processos fisiológicos associados, bem como a relação do homem com o alimento, considerando suas manifestações psico-sócio-culturais, para criar soluções que garantam uma melhor qualidade de vida para as pessoas saudáveis e enfermas, em todos os ciclos da vida.

A relação entre nutrição e metabolismo é bem conhecida. Para manter o metabolismo equilibrado é essencial que o organismo humano receba de maneira contínua nutrientes que são encontrados em alimentos, e a quantidade e variedade de cada um são fatores que podem acelerar ou reduzir a velocidade do metabolismo, provocando mudanças físicas e químicas no corpo humano. No curso de Nutrição e Metabolismo você conhece os principais conceitos sobre o tema e passa a entender mais sobre a ação de cada nutriente no organismo.
05:48:00

Saiba mais sobre o Treinamento Cardio



Os exercícios cardio são atividades que solicitam a função cardíaca, nomeadamente as funções respiratória e circulatório. O treino cardiovascular é baseado em exercícios que proporcionam diferentes benefícios para o corpo, especialmente no que diz respeito à saúde cardiovascular prevenindo vários fatores de risco deste tipo de doenças. São muitos os tipos de treino cardiovasculares, que ajudam a emagrecer, fortalecer os músculos e evitar a flacidez. 

Os principais tipos de exercícios cardiovasculares são o trote, o esqui, natação, remo, aeróbios, o salto sobre cordas, etc. Devido ao fato de que estas atividades requerem um gasto calórico de 400-600 Kcal por hora, erroneamente acredita-se que o cardio é capaz de queimar gordura e alcançar a perda de peso, o que não é de todo correto

O yin e o yang do mundo do exercício são os aeróbicos e o treinamento de força. "Aeróbicos" se refere à baixa intensidade, os treinamentos prolongados que tem a intenção de usar calorias e queimar gordura.

Cardio antes ou depois de treinar?

Fazer cardio antes de começar a treinar se constitui em uma parte vital do alongamento, já que este é fundamental para que o organismo se prepare a receber cargas físicas e se aumente a circulação e a temperatura corporal. Um alongamento ideal inclui 4-7 minutos de cardio mantendo o pulso entre 130-150 batimentos por minuto.
Fazer cardio depois de treinar é ideal para aquelas pessoas que desejam definir os músculos (secar) e livrar-se da gordura problemática na zona abdominal e lombar. Para eles, a melhor opção é trabalhar com intervalos de alta intensidade (HIIT), os quais fazem que o organismo gasta mais calorias.

As 4 regras do treinamento cardio

1. Fazer cardio de curta duração antes de treinar é importante para aquecer. Mesmo que o seu objetivo na academia seja o crescimento muscular e não emagrecer, comece o treino com alguns minutos de exercícios cardiovasculares; esta atividade aumenta a efetividade da sua rotina e prepara o corpo para receber cargas físicas.
2. Os treinos para aumentar a massa muscular não são compatíveis com os exercícios cardiovasculares para marcar os músculos: o cardio influi negativamente nos processos de hipertrofia, já que o corpo em um dado momento pode, ou aumentar seu volume, ou diminuir para secar os músculos, mas não faz as duas coisas ao mesmo tempo.
3. Para emagrecer, a frequência cardíaca faz um papel mais importante que o tipo de cardio. O número de calorias queimadas durante a execução de exercícios cardiovasculares depende das pulsações cardíacas e da duração do exercício. 40 minutos de remo a um ritmo moderado são mais efetivos que 10 minutos correndo em alta velocidade.
4. A regra principal na hora de queimar gordura através do cardio é esvaziar os depósitos de glicogênio e realizar a atividade quando os níveis de açúcar no sangue são baixos. É por esta razão que os exercícios cardiovasculares pela manhã com o estômago vazio e os intervalos de alta intensidade HIIT são a melhor opção para perder peso.
Conheça o Workshop "Periodização de Treinamento Cardio"que ensina todos os cálculos necessários e fórmulas existentes para se periodizar um treinamento cardiorrespiratório. Clique aqui!

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

04:21:00

Artigos Grátis - Pilates em Equipamentos




O Método Pilates é um sistema muito abrangente, tanto para treinamento como para reabilitação de inúmeras lesões, englobando todo tipo de público – bailarinas, acrobatas, atletas de alto rendimento, bem como pessoas com profissões que não tem nada a ver com atividade física e também os “grupos especiais”, como mulheres grávidas ou idosos.

Para melhor atender essa variedade, o Método conta com diferentes equipamentos de trabalho: Mat, Reformer, Cadillac, Barrel, Chair, cada um com suas características específicas, fazendo com o que o Pilates tenha um amplo repertório de exercícios e técnicas.

É importante que cada profissional do método conheça as características dos equipamentos de Pilates que trabalha, inclusive os primeiros que surgiram, para saber como utiliza-los da melhor maneira ou até esclarecer alguma dúvida que o aluno pode ter.

Clique >>>> Tenha Artigos Científicos sobre Pilates no Equipamentos.

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

07:36:00

A Enfermagem na Equipe Multiprofissional



Equipe Multiprofissional é a junção de esforços e interesse de um grupo de profissionais que reconhecem a interdependência com os outros componentes e se identficam com um trabalho de caráter cooperativo e não competitivo, com o fim de alcançar um objetivo comum cuja atividade sincronizada e coordenada caracteriza um grupo estritamente ligado

Da noção de interdependência a influência bilateral da conduta do grupo interprofissional, surgem os resultados esperados de qualquer função em equipe: a idéia do sinergismo

Sobre o assunto, assim se expressa DE FELICE (1976), "os pacientes consideram a equipe como seu médico". E quanto ao grau de satisfação obtida pelo paciente com relação ao trabalho de equipe, o autor citou SILVER, o qual observou que 94% dos pacientes expressaram satisfação com a assistência combinada, considerando-a melhor do que recebida por um médico somente e, S0% dos pacientes consideraram a associação de um médico e um profissional afim de área de saúde, como uma tendência inevitável na prática da medicina.

Evidenciado está, que o trabalho realizado por equipe multiprofissional constitui importância relevante com as seguintes vantagens:

a) assegura a participação de toda a equipe através de um trabalho integrado;
b) propicia uma assistência mais condigna e humana ao paciente por meio da interação multiprofissional;
c) centra as responsabilidades através do trabalho có-praticado;
d) fortalece as relações entre os profissionais, paciente e família para o alcance dos objetivos;
e) aumenta o aproveitamento da capacidade profissional pela coesão do trabalho;
f) favorece o relacionamento interprofissional.

Para um eficiente desempenho do enfermeiro na equipe multiprofissional é necessário o reconhecimento das etapas do processo de enfermagem como ações progressivas interrelacionadas e sinérgicas, funcionando como reiteração de um ordenamento lógico como segue:

  • — Histórico e Diagnóstico de Enfermagem
  • — Plano Assistencial de Enfermagem
  • — Plano de Cuidados de Enfermagem
  • — Evolução de Enfermagem
  • — Prognóstico de Enfermagem.
No campo da assistência à saúde, a decisão dos enfermeiros, tem sido pouco explorada e, pelas características de autonomia no campo profissional e competência técnica, propicia um novo conceito de enfermagem, e conseqüentemente maior desenvolvimento profissional.

A enfermagem moderna, como profissão cientificamente orientada, deve estar integrada aos padrões normativos técnico-científico e ético-cultural do desempenho do papel profissional. Ela deve ser autoridade no seu campo específico, dentro dos padrões profissionais, o que quer dizer, apenas, que em assuntos de enfermagem, é o enfermeiro aquele que decide.

Para eficiente atuação do enfermeiro a nível de decisão técnico-científica e ético-profissional, torna-se necessário o contínuo estudo e revisão do processo de enfermagem pelos Enfermeiros, a fim de elevar progressivamente a qualidade de prestação de cuidados e medidas que visam atender às necessidades básicas do ser humano.

Tenha vários cursos online de Enfermagem para estudo. Especialidades e assuntos com excelente conteúdo.

As necessidades básicas não satisfeitas dos pacientes podem significar o reflexo da omissão de cuidados de enfermagem, em contrapartida quando as necessidades afetadas dos pacientes são satisfeitas, estes aceitam melhor a terapêutica, e então se atinge, pelo menos, o nível regular de qualidade de oferta de assistência à saúde, esta entendida como bem-estar.

O enfermeiro só assumirá mais plenamente sua responsabilidade legal perante o ser humano e comunidade sob seus cuidados, quando reconhecer que sistematicamente deve revisar e atualizar a metodologia do processo de Enfermagem, definindo desse modo um determinado estilo de assistência.

Popular

Contato

Contato

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Newsletter

Instagram